Siena em várias línguas

Texto e fotos por Denise Mustafa (www.flickr.com/denisemustafa)

Bom, com 7 dias em Florença, tínhamos tempo de sobra pra aproveitar os arredores da Toscana. Mas também não queríamos ir pra muito longe, passar longo tempo dentro dos vagões de trem, indo e vindo. Pensamos em mil lugares, entre eles as cinco cidades de Cinque Terre . Mas demorava. E o calor tava grande demais pra demorar muito tempo em viagens (já disse que o calor é imenso naquelas bandas no verão?). Enfim, resolvemos ir no primeiro dia de bate-volta à Siena. Compramos os tickets na própria estação de Florença e, em 1h30min, estávamos lá.

Chegando em Siena, pegamos o ônibus que sai em frente à estação, num shopping Center, que nos leva até o centro da cidade. Abre parênteses: uma dica interessante: nos pontos de ônibus, normalmente, tem as maquininhas que vendem as passagens. Caso não tenha, pode-se comprar em tabacarias próximas. Em alguns lugares que visitamos na Itália, não dava como comprar a passagem dentro do ônibus ou, se tivesse, saia uns 50 cêntimos mais caro que se comprasse antes de entrar. Fecha parênteses.

A Monalisa no chão de Siena

O ônibus te deixa na beirinha do centro, já na Via Banchi di Sopra, a principal via de Siena. A cidade estava lotada de turistas do mundo inteiro, de lojas e, o principal (que não pode ser deixado pra trás): gelaterias! Delícia nesse calorzão que fazia na cidade.

As ruelas de Siena

Com uma pequena caminhada pela cidade medieval, avistamos a famosa Piazza Del Campo, bastante conhecida na história da cidade pois é o local onde acontece a festa Palio de Siena, conhecida e tradicional na cidade (aquela que, agora, deve estar mais famosa do que nunca por causa do BBB – humpf). O sol de rachar faze com que a luz fique mais forte e o céu mais azul, trazendo uma paisagem magnífica.

Chegando na Piazza Del Campo

Caminhando pela cidade, outros pontos que merecem ser visitados são o antigo hospital Santa Maria della Scala e o Duomo que, mesmo não tão grande como o de Florença, também é muito bonito.

O antigo Hospital Santa Maria della Scala

Pra comer, recomendo uma especiaria da toscana: carne de javali, com uma deliciosa salada de tomates (os tomates da Toscana são os melhores do mundo!). Comemos em um restô chamado Il Palio, que fica na própria Piazza Del Campo. Recomendo!

Almoçando na Piazza Del Campo

Bom, mas voltando aos bate-voltas: como a vontade de ir tomar um banho de mar era grande por demais, escolhemos a praia de Viareggio para conhecer. O trem que pegamos pra ir era tão antigo que não tinha ar-condicionado! Foi uma aventura. Ao chegar na cidade, avistamos a praia ao fim de uma longa avenida. Saímos caminhando, já loucos por um banho de mar. Chegando lá, descobrimos que a praia era TODA privada. Pela “barganha” de 15 euros, era possível alugar uma cadeira e um guarda-sol. Não podíamos nem ficar deitados na areia. Só um quadradinho, no cantinho da praia, era de graça. Valeu a pena só pelo banho de mar, pela vista e pelo bronze. Mas se você não quiser gastar seus preciosos euros alugando cadeira de praia, não perca seu tempo: corra pra outra praia italiana, que o mar vai ser exatamente igual!

O quadradinho no cantinho da praia de Viareggio

E mais:

– A viagem entre Florença e Siena é linda! As plantações de girassol tomam conta da paisagem, que parece de filme!

– Compramos todas as passagens, de ida e volta, nas próprias estações de trem. Eu checava os horários pelo site da Trenitalia e já programava a hora de ir e voltar. As maquininhas são facílimas, com menu em português.

– Você deve ter pensado: “Não acredito que eles não foram à Pisa”! Muita calma nessa hora… ainda tivemos mais 1 semana na Itália, com direito a Roma e mais Toscana, com uns dias em Volterra, uma linda cidade murada. Pisa ficou pro dia da volta, já que pegamos o avião de lá. Cenas dos próximos capítulos…

Advertisements