You are currently browsing the category archive for the ‘Ilhas Canárias’ category.

Semanas atrás, numa tweeting conversation entre a Cláudia, Natalie, Carina, Patricia, CarmemMarcie, surgiu a ideia de listar os lugares que cada uma considerava “viu-tá-visto”. Aí a conversa evoluiu e dedidiram fazer também uma segunda lista – com cidades ou países para onde voltariam sempre. Como a idéia parecia boa, uma comentou aqui, outra comentou ali… no fim,  a notícia se espalhou e conquistou dezenas de adeptos. Diante disso, decidiu-se fazer uma blogagem coletiva.

Aproveitei a oportunidade, e resolvi VOLTAR com o blog! Olha que legal! Espero que eu consiga voltar com as postagens também e finalmente terminar meu diário de viagem (shame on me). Bom, então vamos lá:

Minha segunda casa: Porto (Portugal)

Morando 1 ano em Portugal, pude vivenciar um ano de passagens a preços MUITO bacanas! Principalmente no Porto, de onde saem várias companhias aéreas de baixo custo, como Ryan air e Easy Jet. Sendo assim, além da big trip (que é a do Diário de Viagem que eu jamais terminei) que fiz no final da moradia em Portugal, fiz algumas viagens durante os finais de semana para alguns lugares bacanas. Morando em Portugal consegui viajar bastante de trem e ônibus, principalmente por ser um país pequeno, dá pra chegar rapidinho nos destinos. Vou focar nesse 1 ano fora, tá?

* Alguns lugares você pode ver o post aqui no blog. Outros eu juro que vou tentar escrever um dia. E fotos, você sempre pode ver aqui!

Cidades que voltaria SEMPRE:

Sacre-coeur, um dos meus lugares favoritos em Paris.

– Berlim (Alemanha) – uma das minhas preferidas. Passei pouquinho tempo, mas me conquistou demais. Morri de vontade de ficar 1 mês por lá (NO VERÃO).

– Amsterdã (Holanda) – mesma observação acima. Ficaria 1 mês lá, sem dúvida.

– Paris – Duas visitas e não conheço NEM METADE. Dispensa comentários

Roma (Itália) – Voltaria SÓ PRA COMER. #estoubrincando.

Florença (Itália) – Que lugar lindo e recheado de história. Passei 1 semanita lá e não deu pra acabar com a vontade de ir mais vezes!

– Lisboa (Portugal) – É encantadora. Vale ir SEMPRE pra comer um bom pastel de belém na Confeitaria Antiga, e pra ver a cidade do alto do Castelo de São Jorge.

– Porto (Portugal) – Porque é linda e pq é minha segunda casa e minha cidade do coração. E porque ver o pôr-do-sol no Cais da Ribeira, com uma tacinha de vinho do Porto, é uma das melhores coisas pra se fazer na vida.

– Barcelona (Espanha) – já fui 3x e voltaria uma quarta, uma quinta…

– Madrid (Espanha) – amo Madrid. É onde você sente a Espanha de verdade.

– Toledo (Espanha) – é minúscula. Mas é medieval, e eu acho lindo cidade medieval. Então as próximas duas vão no mesmo barco e voltaria sempre, principalmente pra fotografar.

– Volterra (Itália) – Ponto mais alto da Toscana.

Siena (Itália) – Mesma coisa de Toledo e Volterra. Ainda quero ver o Palio de Siena!

Tenerife (Ilhas Canárias – Espanha) – Um lugar que me surpreendeu. É lindo! De um lado, o El Teide. De outro, praia. Morro de vontade de voltar e conhecer outras ilhas.

✿Lugares “viu-tá-visto”:

Vigo, na Galícia: vale uma visita. E só!

– Vigo (Espanha) – fica na Galícia, norte da Espanha. Passamos um reveillon por lá. É uma cidade bonita, mas sem muitos atrativos. Uma ida de 1 dia já resolve;

– Fátima (Portugal) – Não sou religiosa, então a visita, pra mim, foi mais pelo contexto histórico e pelas imagens do que pela cidade em si. (Tem post sobre Fátima aqui no blog!)

– Coimbra (Portugal) – Também é uma gracinha, vale a visita.

– Aveiro (Portugal) – É a Veneza portuguesa. Vale ir uma vez conhecer.

– Guimarães (Portugal) – É linda também, mesma coisa das últimas de cima.

Viareggio (Itália) – Fiquei um pouco decepcionada. Fui no pico do verão, morrendo de calor, desesperada por um banho de mar, e a praia era TODA privada. Um tantinho só, minúsculo, perto das pedras, era liberada pra quem não queria pagar 15 euros por uma cadeira. Ou seja…

– Pisa (Itália) – Gente, só tem a torre. Vale a visita, porque é um CHOQUE ver aquele prédio quase caindo, mas é só isso. Fui quando estava voltando de Florença. Como o aeroporto era lá, cheguei um pouco mais cedo, vi a torre e fui pro aeroporto.

– Toulouse (França) – É linda. Cidade universitária. Fiquei 1 semana e andei muito de bicicleta, no verão. Delícia. Mas uma visita já vale. Da próxima vez vou visitar outra cidade.

Nem sei se lembrei de tudo, gente. Mas acho que dá pra ter uma idéia, né?

E vamos ter FÉ que eu vou voltar com o blog. rs!

Adorei ter participado. Vejam abaixo a lista dos blogs que também estão participando da Blogagem Coletiva!

Abrinco o Bico (a lista da Carina Ditrich)

Abrindo o Bico (a lista da Lena Máximo)

Abrindo o Bico (a lista da Marcie Pellicano)

Aprendiz de Viajante (a lista da Claudia Beatriz)

Básico e Necessário (a lista da Helô Righetto)

Big Trip (a lista da Paula Bicudo)

Boa Viagem.org (a lista do Luiz Jr.)

Cadernos da Tia Helô (a lista da Kaká)

Colagem (a lista da Luciana Misura)

Cozinheiros de Primeira Viagem (a lista do Fred Marvila)

Cozinheiros de Primeira Viagem (a lista da Natalie Marvila)

Cozinheiros de Primeira Viagem (a lista da Sylvia Lemos)

De volta outra vez (a lista do Alex Melo)

De uns tempos pra cá (a lista da Carmem Silvia)

Dicas e roteiros de viagens (a lista da Carolmay)

Donde ando por aí (a lista da Clarissa Donda)

Dri Everywhere (a lista da Adriana Miller)

Filigrana (a lista da Majô Soares)

Flashes por Si (a lista da Simone)

Guardando memórias (a lista da Celinha)

Inquietos (a lista da Priscila e do Vinicius)

J.R. Viajando (a lista do Júnior)

Mala de Rodinha e Nécessaire (a lista da Celina)

MauOscar (a lista do Oscar Risch)

Mikix (a lista da Mirella Mathiessen)

Olhando o Mundo (a lista da Denise Mustafa)

O que eu fiz nas férias (a lista do Gabe Britto)

Pelo mundo (a lista da Mari Campos)

Psiulândia (a lista da Ana Maria)

Rosmarino e outros temperos (a lista da Lu Bettenson)

Sambalelê (a lista da Sambalelê)

Turomaquia (a lista da Carlinha Z.)

Turomaquia (a lista da Patricia de Camargo)

Uma Malla pelo Mundo (a lista da Lucia Malla)

Viagem pelo Mundo (a lista da Deise de Oliveira)

Viaggiando (a lista da Camila Navarro)

Viajar e Pensar (a lista do Gustavo Belli)

Puerto de la cruz, em Tenerife Norte

Texto e fotos por Denise Mustafa (www.flickr.com/denisemustafa)

Você já viu um lugar que é ilha e tem vulcão e praia, ao mesmo tempo? Que pertence aos espanhóis, mas a língua mais falada é o alemão? Que é pra onde os européus fogem no inverno rigoroso porque lá o clima é ameno, faz sol de dia e um friozinho leve à noite? Não? Pois tá na hora de conhecer. Vos apresento: Tenerife, uma das 7 ilhas que compõem as Ilhas Canárias.

Fui à Tenerife em janeiro de 2007. Não foi um destino escolhido a dedo: um casal de amigos (um brasileiro e uma espanhola) estavam lá a morar e fomos fazer uma visitinha. Logo de cara me assustei: onde será que fica esse lugar que eu nunca ouvi falar? Pesquisei tudo que podia na internet! Vi que o clima era uma delícia! Que fazia um sol gostoso de dia, o que nos promovia dias de praia e bronze. E, à noite, tinha uma brisa gostosa. Não baixava dos 15 graus, o que já é perfeito pra quem vem lá do continente em pleno inverno! Fiquei mais impressionada ainda: o lugar era muito mais paradisíaco vendo ao vivo e a cores, do que nas fotografias da internet.

Na volta, escrevi uma matéria pro caderno de Turismo do jornal Diário do Nordeste (daqui de Fortaleza, onde trabalhei como repórter-fotográfica) e são essas informações (atualizadas, claro) que repasso a vocês. Divirtam-se!

——–

Logo no aeroporto, um choque cultural: apesar de colonizada por espanhóis, a primeira língua utilizada para informações é o alemão. Em todas as placas informativas, o alemão aparece em primeiro, seguido do espanhol e do inglês.

Além da língua, Tenerife possui peculiaridades específicas que apenas uma ilha que rodeia um vulcão poderia ter. O balneário turístico é o lugar perfeito, tanto para quem quer descanso quanto para quem procura diversão. Jovens e adultos são vistos passando férias nas diversas praias ao longo da ilha. Resorts, restaurantes, boates, bares, enfim, quem estiver disposto a desfrutar do  verão o ano inteiro, vale a pena: Tenerife é o paraíso Canário.

Canárias: sete ilhas e mil diversidades

Pontas de vulcões que se formaram no fundo do mar há 14 milhões de anos deram origem as sete ilhas que hoje compõe o paradisíaco arquipélago das Canárias. São elas: La Palma, El Hierro, La Gomera, Tenerife, Gran Canaria, Fuerteventura e Lanzarote, além de várias pequenas ilhas e ilhéus costeiros. 

 As Ilhas Canárias estão localizadas muito perto dos trópicos, no Oceano Atlântico, ao lado do Marrocos e, por causa disso, o sol é predominante praticamente em todos os dias do ano, acompanhado de ventos constantes. A paisagem varia de desertos de lava a florestas primitivas, ou até mesmo de dunas de areias negras a picos vulcânicos.

 A área do arquipélago espanhol é de 7.447 km². A população, em 2005, já chegava a quase 2 milhões, correspondendo a oitava região mais populosa da Espanha. Nos séculos 14 e 15 quando navegadores espanhóis descobriram as ilhas e as anexaram à Espanha, elas eram habitadas pelos aborígenes guanches. As Canárias são conhecidas desde a mais remota antiguidade, sendo, no período greco-romano da história europeia, chamadas de Ilhas Afortunadas.

 Tenerife – do vulcão às praias de areia negra

A província de Santa Cruz de Tenerife abrange as ilhas de Tenerife, La Palma, La Gomera e El Hierro. A maior ilha das Canárias, Tenerife quer dizer montanha nevada na língua dos guanches, em referência ao vulcão adormecido El Teide, o mais alto pico da Espanha que, dependendo da época do ano, pode ficar completamente coberto de neve. A ilha se divide em duas zonas climáticas bem distintas: norte úmido e rico em vegetação, sul ensolarado e árido.

No norte é onde fica o Parque Nacional del Teide, um dos mais impressionantes monumentos da natureza. O lugar é uma região erma, erodida pelo tempo, com rochas adornadas por minerais, leitos de cinza e rios de lava. A estrada que leva ao Teide é bem segura. Próximo ao vulcão existe um centro de visitantes e uma estação de teleférico, destinada aos que querem chegar mais perto da imensa montanha vulcânica.

Cañadas Del Teide - Vulcão El Teide

O Teide tem uma altitude de 3.718m e cerca de sete mil metros de altura a nível do mar. Sabe-se que são antigas suas erupções e que marcaram todo o Valle de la Orotava, desfiladeiro ao redor do vulcão, oriundo das lavas, além de todo o relevo atual de Tenerife, o que torna ainda mais interessante a história da ilha.

Essa paisagem fica branquinha no início do inverno..

 Além do passeio ao Teide, as praias ao redor de Tenerife são muito procuradas por turistas do mundo inteiro, mesmo no inverno, principalmente pela diferença ambiental entre o norte e o sul. É como passear em dois climas distintos em um só lugar. Aos amantes de esportes radicais e trilhas, as praias do norte de Tenerife, como El Áncon e Playa de los Patos, situadas próximas a cidade de Puerto de la Cruz, são as mais indicadas para esse tipo de prática, já que é necessário descer entre pedras e surpreendentes formações rochosas. A caminhada exige muito fôlego e disposição, mas a recompensa final vale a pena: um mar maravilhoso, embora com águas muito frias no inverno, e uma exuberante faixa de areia negra, proveniente da área vulcânica.

Lagoas Martiánez em Puerto de la Cruz (Tenerife Norte)

Para quem prefere uma praia com acesso mais fácil e semelhante às paisagens brasileiras, a sugestão é ir à parte sul da ilha e visitar a Playa de Las Américas, ou a Playa de La Tejita, onde o mar é mais quentinho. Agora, não se assuste se chegar e pessoas de todas as idades estiverem sem roupa. A prática de nudismo é muito comum na Europa e, principalmente, em algumas praias das Canárias. Existem lugares que são reservados especialmente para isso.

Montaña Roja, na Playa Tejita, no Tenerife Sul

 Aos apreciadores de frutos do mar, Tenerife é o verdadeiro paraíso. Lula, polvo, camarão, entre outros mariscos, são pratos típicos nos restaurantes, acompanhados, dependendo da preferência, de um bom vinho ou cerveja gelada. As papas arrugadas (batata cozida com casca em água salgada) servidas com os típicos mojos, molhos que variam em ingredientes e cor, são deliciosos e servem como apetitosas entradas.

Enfim, quem tiver disposto a enfrentar uma longa viagem, atravessar o oceano, e conhecer Tenerife, com certeza não irá se arrepender. A ilha é provavelmente uma das mais encantadoras da Europa com florestas exuberantes, flora e fauna exóticas, desertos, montanhas, vulcões, neve, costas incrivelmente bonitas, praias espetaculares, além de uma culinária maravilhosa. Está dada a dica. Agora, é só seguir viagem.

 Curiosidades: 

– Em Tenerife, na praia de La Laguna, nasceu o padre jesuíta que viveu no Brasil Jos]e de Anchieta, em 1534.

– No caderno de notas de Cristóvão Colombo aparece uma referência ao Teide em erupção.

– No mar da praia El Teno, localizado na parte norte da ilha de Tenerife, é onde fica a maior diversidade de cetáceos (golfinhos e baleias) de toda a Europa.

– O escritor português José Saramago, Nobel de literatura, mora na ilha canária de Lanzarote.

– Nas ruas da cidade Santa Cruz de Tenerife acontece uma das maiores festas de Carnaval da Europa. É um rico espetáculo de extravagantes fantasias e música latino-americana, comparável até com o do Rio de Janeiro, na opinião de alguns turistas.

COMO CHEGAR

Do Brasil não existe nenhum vôo direto para Tenerife. É necessário chegar à Espanha e embarcar em uma das companhias aéreas internas. Saindo de Fortaleza, para Madri ou Barcelona, tem o vôo da TAP que faz uma escala em Lisboa e vai, em seguida, para uma das duas cidades.  

Partindo de Madri ou Barcelonapara Tenerife, você pode ir em vôo da companhia aérea espanhola Ibéria. Atualmente companhias low cost como Ryan Air, Easy Jet e Vueling vão para Tenerife Sul de diversas partes da Europa. A ilha possui dois aeroportos: Norte (Los Rodeos) e o Sul (Reina Sofia).

PELO MAR: Do continente também saem ferryboats para as Ilhas Canárias. A travessia nos ferries da Transmediterránea opera em um um serviço semanal de Cádiz, na Andaluzia, para o porto de Santa Cruz de Tenerife, e duram cerca de 39 horas. As embarcações possuem cabines para dormir, cafés, restaurantes, bares, lojas, cinemas e piscinas.

%d bloggers like this: